Apenas por pessoas de alma já formada

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Errante

Escapo por fim das amarras para seguir na inércia real de meus sentimentos nulos. Há sangue nos olhos e quase nada nas veias. Assustar-me-ei ao perceber a vida? Respiro sem saber. Entenda. Não respondo a teus chamados pois significaria dar-te algo que me exigira em simplesmente estar parado a fitar-me. Dar-te uma resposta seria ter ouvido a pergunta, quando de fato nada ouço. A estática me devolve a ti e penso se existe realmente isso a que chamam de destino. Há a promessa do amanhã? Não apago o candelabro pois há o temor do que possa me ocorrer durante o sono. Estarei inconsciente, mas posso de repente acordar e, uma vez impossibilitada de ver, esquecer-me o fato. Apago eventos da memória, mas nunca o que realmente me fere. Escapa-me o não-ter.
posted by mente inconstante at 00:01

1 Comments:

O negocio aki tah ficando cada mais lindo, heim?!
Estranhamente tenho gostado do que vc escreve, uma vez que vc escreve sobre coisas que te aflige. Talvez seja pura identificação. ^^

Bjo meu.

7 de setembro de 2012 13:44  

Postar um comentário

<< Home